mar 07 2014

(Rara) Propaganda do Edison Cylinder ! (1890)

Edson005

 
NAIA ORG (CLIQUE NO
SOL ALEGRE)



Web 2.0 scientific calculator

Comentários desativados

mar 07 2014

Vem ser feliz!

Clicar no logo!

Clicar no logo!

Comentários desativados

jun 06 2016

The day in history

Clicar aqui

Comentários desativados

mar 24 2017

Os falsos amigos são como a sombra …

Published by admin under Aforismos

“Os falsos amigos são como a sombra. Só nos acompanham quando o sol brilha!”

Provérbio Latino

No responses yet

mar 23 2017

Vaga-lumes iluminam …

Published by admin under Aforismos

“Vaga-lumes iluminam grutas onde nem mesmo a luz do sol pode chegar”
Provérbio Oriental

Comentários desativados

mar 22 2017

Ferro que não se usa …

Published by admin under Aforismos

“Ferro que não se usa, gasta-o a ferrugem”

Provérbio Latino

Comentários desativados

mar 21 2017

Uma bela flor …

Published by admin under Aforismos

“Uma bela flor é incompleta sem suas folhas”

Provérbio Popular

Comentários desativados

mar 20 2017

Conhecimento dá poder …

Published by admin under Aforismos

“Conhecimento dá poder mas só o caráter granjeia respeito”

Provérbio Oriental

Comentários desativados

mar 19 2017

Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria …

Published by admin under Aforismos

“Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria:Calar, Ouvir, Lembrar, Sair, Estudar”

Provérbio Oriental

Comentários desativados

mar 18 2017

É nas más horas que se pode avaliar …

Published by admin under Aforismos

“É nas más horas que se pode avaliar a evolução espiritual das pessoas”

Provérbio Oriental

Comentários desativados

mar 17 2017

O vento acaricia a dócil folhagem …

Published by admin under Aforismos

“O vento acaricia a dócil folhagem e derruba o tronco vigoroso; a chuva mata a sede dos dois”

Provérbio Latino

Comentários desativados

mar 16 2017

Se você quer que as pessoas pensem que você é muito inteligente …

Published by admin under Aforismos

“Se você quer que as pessoas pensem que você é muito inteligente, simplesmente concorde com elas”

Provérbio Popular

Comentários desativados

mar 15 2017

O POETA QUE ERA LADRÃO – FRANÇOIS VILLON

Fonte da imagem e complemento. Clicar na figura.

Fonte da imagem e complemento. Clicar na figura.

François Villon (século XV) tem sido chamado “nosso triste, mau, alegre e louco irmão.” Foi o mais hábil larápio de Paris e o maior poeta da França. Poucos homens tem sido culpados de crimes mais vis. E pouco homem tem escrito mais perfeitas canções.
Que estranha combinação foi ele de bestialidade e de sublimidade! Aos vinte anos era mestre em surrupiar bolsas de dinheiro; aos vinte e cinco matou um padre; aos trinta era o chefe de uma quadrilha de meliantes. Contudo durante todo esse tempo escreveu poemas que ficaram cantando na memória e no coração do mundo.
Nascido na sarjeta, François tornou-se na idade de doze anos, pupilo dum bondoso padre chamado Villon. François adotou o nome de seu benfeitor e começou imediatamente a glorificá-lo com a sua poesia e a infelicitá-lo com seu procedimento. O bom e velho padre conseguiu ensinar-lhe e cultuar a beleza, mas nunca pode ensinar-lhe a praticar a honestidade.
O tutor enviou Villon para o colégio. Mas o jovem poeta evitou a sociedade de seus companheiros de estudo. Preferiu juntar-se à confraria dos ladrões.
Tornou-se poeta laureado deles. Quando qualquer deles era condenado à forca, Villon enviava-o ao inferno com um poema de bon voyage, de surpreendente beleza e de obcena zombaria.
Estava sempre se metendo em dificuldades, e sal tutor vivia sempre a tirá-lo desses apuros. Sua vida era uma contínua jornada duma prisão para outra. Freqüentemente prometia a seu amo que “essa complicação será a última. De agora em diante, vou mudar de vida.” Mas nunca cumpriu sua promessa.
Todo o dinheiro que roubava, gastava-o com mulheres e vinho. Era um belo maroto, e as mulheres da corte, tanto quanto as mulheres das ruas, achavam-no irresistível.
Na véspera de Natal, do ano de 1465, assaltou o Colégio de Navarra. Fugindo de París, foi agarrado e preso em Orleans. Duas vezes foi condenado à morte e em ambas escapou, graças à intercessão de seus amigos.
E enquanto o seu corpo apodrecia na prisão, seu pensamento florescia no poema do Grande Testamento. É um poema extraordinário, percorrendo toda a distancia que separa os charcos das estrelas. A mais famosa passagem desse poema é a Balada da Mulheres Mortas, com sua amarga observação de que todo o encanto deve morrer, e com o obsidente estribilho
“As neves doutrora onde estão?”
Esse Grande Testamento de Villon é uma franca confissão de sua horrenda vida e é igualmente uma franca rogativa do divino perdão. O poema termina com o seu autobiográfico epitáfio:
“Este sujeito inútil, maluco e estouvado nunca teve uma travessa ou coisa que lhe pusesse em cima. Descanso nunca teve até que veio a morte e pô-lo a pontapés para fora do mundo. Senhor de Misericórdia, tende piedade de sua alma e concedei-lhe a eterna paz.”Descanso nunca teve. A última olhadela que lhe pomos é em París, numa tarde nevoenta. Sua pena de morte foi comutada em banimento perpétuo. E assim, pondo seu gasto surrão aos ombros, desaparece na escuridão crescente, a mais patética e curiosa combinação, nos anais da literatura, de um pensamento vigoroso e de uma alma deformada.
Fonte:
As Maravilhas do Conhecimento Humano
Volume I(I – LITERATURA – ARTE – NATUREZA – FILOSOFIA
Autor: Henry Thomas
Editora Globo – 1956

 

 
 

 

 


Comentários desativados

Next »